quinta-feira, 14 de novembro de 2013

vc repórter: apaixonado por astronomia, carioca fotografa cometa no MT

 

Eduardo Baldaci e sua devoção à ciência comoveram fabricante de telescópios americana, que doou equipamento avaliado em R$ 22 mil

Cometa C/2013 R1 Lovejoy tem configuração típica: longa cauda e coloração esverdeada Foto: Eduardo Baldaci / vc repórter
Cometa C/2013 R1 Lovejoy tem configuração típica: longa cauda e coloração esverdeada
Foto: Eduardo Baldaci / vc repórter
Desde o início, o ano de 2013 vem sendo considerado especial por astrônomos e entusiastas do estudo de corpos celestes. Uma série de cometas foram ou ainda serão vistos a olho nu de diversos pontos do planeta. Apaixonado pelo assunto desde a infância no Rio de Janeiro, o astrônomo amador Eduardo Baldaci, hoje radicado em Cuiabá, conseguiu capturar, na madrugada desta quinta-feira, imagens de um deles, o C/2013 R1 Lovejoy.

Com uma câmera do tipo DSLR acoplada a um telescópio semiprofissional, ele “congelou” em uma foto toda a velocidade e a luminosidade esverdeada do cometa, que, nesse caso, leva o nome do telescópio que o identificou pela primeira vez.

Baldaci, o autor das fotos, é um “sonhador apaixonado por astronomia", como ele mesmo se define, desde 1969. Quando tinha 3 anos viu pela TV o primeiro passo de um terrestre, de nome Neil Armstrong, na Lua. “Na minha geração, muitas crianças diziam que queriam ser astronautas quando crescessem. Eu era uma delas e levei isso a sério”, contou ao Terra.

Na minha geração, muitas crianças diziam que queriam ser astronautas quando crescessem. Eu era uma delas e levei isso a sério
Eduardo Baldaci
Já na adolescência, se interessou em observar o céu, em entender um pouco da dimensão dos astros e estrelas. Antes dos 18 anos já se considerava astrônomo amador. Chegou a prestar vestibular de física, mas desistiu da ideia de se profissionalizar com medo do mercado de trabalho restrito.

O tempo passou, e Baldaci se especializou em outra área. Hoje é funcionário público em Cuiabá, mas mantem a velha paixão em paralelo. Em 2011, escreveu uma carta ao maior fabricante de telescópios dos Estados Unidos e do mundo. Contou sua trajetória e falou sobre inúmeros projetos de astronomia que ele, de forma praticamente autônoma, promove há anos em praças e escolas da capital do Mato Grosso.

A empresa, chamada Celestron, se compadeceu. “Minha intenção era comprar com desconto, já que não disponho de muitos recursos, mas eles gostaram tanto da minha história que resolveram me doar um telescópio semiprofissional, que aqui no Brasil custa R$ 22 mil”.

A única condição da empresa é que ele buscasse o instrumento ótico em Los Angeles, nos Estados Unidos. Para conseguir dinheiro, o astrônomo reuniu amigos e patrocinadores em torno da causa. Viajou. Trouxe o objeto de 50 quilos na bagagem e, ao chegar ao aeroporto de Guarulhos, percebeu a disparidade cultural e burocrática entre os dois países. Dos Estados Unidos, saiu com o telescópio, pelo qual não teve que pagar nada, devidamente embalado. Não enfrentou nenhum tipo de resistência ao deixar o País. Por aqui, foi barrado na alfândega e teve de pagar imposto pelo objeto. “Eu estava com uma carta da empresa que dizia que o telescópio foi doado a mim, com todos os meus dados, em papel timbrado, mas mesmo assim me cobraram. Minha sorte é que, conhecendo o sistema, já tinha o dinheiro reservado”.

Luminosidade do núcleo, da cabeleira e da cauda se intensificam à medida em que cometa se aproxima do Sol Foto: Eduardo Baldaci / vc repórter
Luminosidade do núcleo, da cabeleira e da cauda se intensificam à medida em que cometa se aproxima do Sol
Foto: Eduardo Baldaci / vc repórter

​O cometa Lovejoy
A coloração esverdeada do C/2013 R1 Lovejoy deriva dos gases quem compõem o núcleo do cometa e seu entorno, segundo explica o astrofísico professor da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar), Gustavo Rojas. “O núcleo de um cometa é composto basicamente de um amontoado de rochas e gelo d'água. Nesse núcleo estão aprisionados gases, principalmente gás carbônico, monóxido de carbono, metano e amônia, que formam a cabeleira do cometa (uma atmosfera em torno do núcleo), que também inclui o cianogênio (CN), dando essa cor esverdeada”, explica.
Esses núcleos, segundo o professor, geralmente têm alguns quilômetros de extensão. “Os maiores têm cerca de 30 quilômetros. O núcleo do cometa Halley, por exemplo, tinha 15 quilômetros em sua extensão máxima”. Já as caudas, formadas quando o cometa já está bem próximo ao Sol, em sua órbita ovalar, não têm um tamanho médio, podem chegar a várias centenas de milhares ou mesmo milhões de quilômetros.
O internauta Eduardo Baldaci, de Cuiabá (MT), participou do vc repórter, canal de jornalismo participativo do Terra. Se você também quiser mandar fotos, textos ou vídeos, clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário